10.3.09

O trabalho enobrece o homem e as multinacionais se aproveitam

Esperando a minha mulher, passaram por mim dois panfleteiros, divulgadores, entregador de papel ou um desses nomes, que nomeiam uma profissão pros muleques que trabalham a pé pra fazer propaganda pro comércio. Um deles me entregou um panfleto, daquela loja exploradora dos Franceses, o Carrefour, que tem como sua garota propaganda, uma das mulheres com o sorriso mais plastificado do mundo, aquela que apresenta um programa de manhã na Rede Globo. Na certa essa garota propaganda ganha o seu cachê facilmente, enquanto os meninos explorados, ganha pouco, pra trabalhar à pé entregando os panfletos.
O que diriam as crianças francesas? Talvez nada, já que a exploração é brasileira, made in Brasil.
Outro dia fui até uma das lojas do Carrefour, e conversei com um funcionário dos frios, melhor dizendo um colega meu, já que eu também trabalho nos frios de um supermercado, só que ai é outra história. Eu lhe fiz algumas perguntas, e percebi que na classe trabalhadora nada se diferencia muito, somos todos explorados da mesma forma, e a escravidão é atual, nada mudou. Graças a Deus em casa não falta o pão, o trabalho é pesado, mas é honesto e o que ganho da pra nos sustentar já que minha esposa também trabalha e ajuda muito em casa.
Mas não paro de pensar nos carrões dos donos de empresa, conquistados com nosso suor, já que também somos responsáveis pelos lucros das empresas.
Com garra e competência um dia a gente chega lá, por enquanto é só trabalhar e fazer a militância, pra um dia todos morarem num bom lugar.

Nota importante: O povo com conhecimento e sabedoria, é quem irá decidir o que é bom ou ruim pra si mesmo.

2 comentários:

João Paulo disse...

Belo texto, gostei do relado. O que nos resta é a militancia e nunca aceitar facilmente que sejamos explorados.

luciano disse...

é foda mais fazer o que so da pra protestar burgueis e playboy da nojo.faz o corre do rap nacional ai mano pode cre!