2.12.08

Funk carioca não é Hip Hop

Lamento ir contra a opinião do mano Afrika Bambata, que disse numa entrevista a uma importante revista de RAP, que o Funk carioca é Hip-Hop. Pra mim incitação à drogas, prostituição e banalização do sexo, NUNCA pode ser considerado Hip-Hop, o Hip-Hop é muito maior do que isso. À intenção do Afrika Bambata, foi ter dito que o Funk carioca, tem o balanço do RAP e devido a isso, e que o Funk reuni a pessoas também e que por isso estava incluído na cultura, mas a verdade é que muitos Funks Carioca vai contra os fundamentos do Hip-Hop e até mesmo do RAP .
Respeito o Afrika Bambata, mas tem certas coisas que passam batido, mas não despercebido.
Pelo que eu ouvi dizer ele seria amigo do Dj Malboro e do Mr Catra, ícones do Funk Carioca.
Sem querer julgar as pessoas é lógico, pois cada um é cada um, e como eu disse numa entrevista: o cara tá ganhando o dinheiro dele fazendo aquilo, o resto é conseqüencia e cada vez mais, elas vem sendo drásticas.
Não é normal você ouvir uma menina de sete anos cantando " Essa menina é safada dá à B........ e dá o C.........., ai meu piru", no meu caso eu fiquei constrangido.
Com essa idade eu nem sonhava com essas coisas, tava jogando bola na rua, brincando de carrinho etc.
Não é normal também ouvir incitação as drogas, pois tem os dois lados do assunto, você falar de drogas e o mal que elas trazem, e você falar de drogas e dizer que é bom e se deve usar.
Pra mim o Afrika Bambata se equivocou em dizer isso, deveria repensar sobre o assunto e fazer uma análise mais profunda, e assim perceber que o Hip Hop é muito maior do que as baboseiras que a maioria dos Funks Carioca estão cantando.
Me perdoem, mas Funk Carioca NÃO é Hip-Hop, pelo menos não o que eu conheço! Obrigado.

2 comentários:

Robson Canto disse...

É foda!!!!!

Ricardo Araújo disse...

É muito interessante conhecer as origens do funk carioca, até porque muita galera desconhece a verdadeira génese do gênero e fala erradamente dele! Na verdade, as raízes do funk carioca vão bem fundo até ao som que se ouvia em Miami. Aí recebeu também a influência do beatbox e do hip-hop. E é o som bem característico que se ouve hoje! Leia sobre o fenômeno nessa matéria aqui e aproveite para ouvir uma rádio que a galera tem:
http://cotonete.clix.pt/quiosque/especiais/funk_carioca/index.asp