19.10.09

Alegria alegria



Assim como a canção de Caetano Veloso, eu vou seguindo também.

Eu vou caminhando

Lá em Cuba um pedreiro ganha o mesmo que um médico: qual é o problema?
- Seu doutor me faça um favor, enche essa laje aqui pra mim. Profissionais são profissionais.
Em Cuba um faxineiro ganha quase o mesmo que um professor: qual é o problema?
- Mestre passa o espanador nesse livro empoeirado pra mim. Profissionais são profissionais.
Reduzir alguém a inferioridade é matar o orgulho pouco a pouco.
Respeitar o dom de cada um, é um dom.
Respeitar as limitações de alguém é mais que um dom, é uma dádiva.
Mas o que essas "generosas pessoas" não entendem, é que aquela senhora parada ali no ponto de ônibus, não teve a mesma oportunidade de estudo, que a filha do papai do bairro nobre.
Calma, antes de passar com o trem do argumento em cima de mim, deixa eu me explicar.
Sou do proletariado, queremos apenas um pouco de justiça, e como diz o Escritor Ferréz: " Viver um pouquinho melhor". Deixa o luxo pra quem precisa desse alimento pro ego, ou o que quer que signifique o luxo.
"- E você não precisa de conforto", me pergunta o outro. Eu lhe respondo: conforto e abundância é comigo mesmo, eu gosto muito, mas se puder dividir, um pouquinho com meus irmãos, seria ótimo.
Quem não quer entrar no restaurante e pagar o prato de comida que quiser? Eu quero mais um pouco, quero um sorriso sincero da atendente, por que está, ganha um salário razoável pra sua sobrevivência.
Tudo bem, esquece tudo isso, foi só ilusão de um trabalhador, ilusão causada pela estafa, pela exaustão. Deixa pra lá meus queridos espectadores do meus país chamado Brasil; trabalhadores por aqui, são meio que deixados de lados, sabe, mão de obra é mão de obra.
Pelo caminho eu caminho, e uma viatura passar por mim, policiais concursados, a cena é a mesma de sempre: um negro logo frente, à abordagem de rotina passou batido, passou batido mas não desapercebido. Policiais, são também profissionais no Brasil, uma profissão delicada, onde entrega nas mãos de uma pessoa a autoridade, que talvez a vida ainda não lhe deu.
Mas tudo bem isso aqui é Brasil, mas nem tudo é só tristeza, 2016 vem por ai, e a nova modalidade já foi definida, tiro ao Helicóptero. Haja Brasil pra tanta coisa ao mesmo tempo. Eu vou caminhando!

3 comentários:

moyses... disse...

sumemu mano ....
ta cada dia melhor ey paz loko ..................

Anônimo disse...

só faltou vc ontem!
perdeu mané

canto

André Ebner disse...

Parabéns. A escrita é tinta de esperança, mesmo que o papel seja vermelho-sangue.